domingo, 31 de março de 2013

O que é texto?




               O que é texto ??? 

Classificação morfossintática:
     
Substantivo, masculino singular 

Significados de Texto :

1. Texto   (Por Janice)

Em sentido amplo, a palavra texto designa um enunciado qualquer, oral ou escrito, longo ou breve, antigo ou moderno.

Uma frase,um fragmento de um diálogo, um diálogo, um provérbio, um verso, uma estrofe, um poema, um romance, e até mesmo uma palavra-frase, ou seja, a chamada frase de situação ou frase inarticulada, como a que se apresenta em expressões como "Fogo!", "Silêncio!", situadas em contextos específicos são exemplos de texto.


                 
                       
                                     2. Texto   ( Por Dicionário inFormal (SP) em 13-09-2010)

Em linguística, a noção de texto é ampla e ainda aberta a uma definição mais precisa. Grosso modo, pode ser entendido como manifestação linguística das ideias de um autor, que serão interpretadas pelo leitor de acordo com seus conhecimentos linguísticos e culturais. Seu tamanho é variável.

"Conjunto de palavras e frases articuladas, escritas sobre qualquer suporte"
"Obra escrita considerada na sua redação original e autêntica 
(por oposição a sumário, tradução, notas, comentários, etc.).

sexta-feira, 29 de março de 2013

Emprego e acento da crase

        Acentuação

( Por Profª Odete Antunes )                                     Crase                                                



EMPREGO E ACENTO DA CRASE

A palavra crase vem do grego krasis, isto é, “fusão, mistura”. 

Crase é a fusão ou sobrepossição de dois aa, ou aas, com a finalidade de evitar uma pronúncia desarmoniosa. Assim em vez de dizer: “Volta a as aulas”, onde a preposição a e o artigo as formariam um hiato, fazemos a contração desses as, evitando o choque fonético de duas vogais idênticas: aa.

Hoje, porém, o termo crase designa especialmente a contração da preposição a com o a artigo, com o pronome demonstrativo a(as), ou com o a inicial dos demonstrativos aquele(s), aquela(s), aquilo e o pronome relativo qual(is).

Note que crase não é nome do acento. O acento grave indica que houve crase, isto é, a fusão de dois aa

Os termos diante dos quais ocorre a crase exercem as funções sintáticas de complementos (objeto direto, objeto indireto, complemento nominal), ou adjuntos adverbiais.

A fusão de dois AA ocorre tanto na escrita como na fala. Embora muitos digam “Vou a a feira”. Esta não é a forma correta, pois os dois AA não se fundem. Assim:

“Vou à feira. (escrita) = “Vou a feira”. (fala).

Se você observar bem, perceberá que só pode ocorrer crase se o verbo ou o nome reger a preposição A.

Observe esses exemplos:





Analisando o exemplo, você deve ter constatado que:
preposição A + artigo O = AO
preposição A + artigo A = À

Regras Práticas para o Emprego do Acento da Crase

1) Substituir a palavra feminina por uma masculina:

a) Fui à escola. A + A(S) = À(S) + palavra feminina.
    Fui ao colégio. A (preposição) + O(S) (artigo) + palavra masculina.
Então use o acento da crase sempre que obtiver AA(S) na substituição.

Os verbos apresentados a seguir são transitivos indiretos que exigem a preposição A. Complete o sentido desses verbos usando um substantivo masculino e depois um substantivo feminino. Para ligar o substantivo ao verbo, use AO ou À.

Exemplo:

Obedecer a ...

Obedecer ao regulamento.
Obedecer à norma.

a) Referir-se a...
  
    Referir-se ao ______________.
    Referir-se à _______________.

b) Informar a...
   
    Informar ao ________________.
    Informar à _________________.

c) Querer a...
   
    Quere ao ___________________.
    Querer à ___________________ .

d) Perdoar a...
    
    Perdoar ao _________________.
    Perdoar à __________________.

Obs.: É importante lembrar que este artifício não se aplica a nomes próprios.

2) Substituir o A por Para:

Viajou à França.

Viajou para a França. (preposição para + o artigo a)

3) Substituir o A por Para A.

Viajou a Paris.

Viajou para Paris.
Para = só preposição (não use o acento)

4) Substituir o verbo que rege preposição A pelo verbo Voltar que rege preposição De:
a) Chegou à Espanha.
    
Voltou da Espanha. (de preposição + o artigo a = da)

b) Vou a Recife.
    
Volto de Recife (de, apenas preposição)

c) Vou à Bahia.
   
 Volto da Bahia. (de preposição + o artigo a = da)

d) Vou a Campinas.
  
  Volto de Campinas. (de (apenas preposição)

Então use o acento da crase sempre que obtiver Da.

Sempre que houver certeza de que o verbo ou o nome rege a preposição A, basta observar se há ou não o segundo A. Substituir o verbo ou o nome que rege preposição A por outro que peça preposiçãoDeEmPor.

a)  Referiu-se à festa. (à = preposição a + artigo a)

    
     Gosto da festa. (da = preposição de + artigo a)
     Estou na festa. (na = preposição em + artigo a)
     Passei pela festa. (pela = preposição por + artigo a)


Então use o acento indicador da crase.

b) Referiu-se a você.     Gosto de você. (de = só preposição)
  
    Estou em você. (em = só preposição)
    Passei por você. (por = só preposição)


Neste caso, não use o acento indicador da crase.

CASOS OBRIGATÓRIOS DO ACENTO DA CRASE

1) Locuções adverbiais, prepositivas, conjuntivas formadas de substantivos femininos (expresso ou elíptico).

a) Locução adverbial feminina:

saiu à noite, às pressas, às vezes, à farta, à vista, à hora certa, à esquerda, à direita, à toa, às sete horas, à custa de, à força de, à espera de.

b) Termos femininos ou masculinos (elipse da palavra) com valor de à moda de, ao estilo de:

 à americana, (= à moda americana), à espanhola, à milanesa, à oriental, à ocidental, poesia à Manuel Bandeira, gol à Pelé, calçados à Luís XV, cabelos à Sansão, estilo à Coelho Neto etc.

c) Locuções conjuntivas: 

à medida que, à proporção que.

d) Locuções prepositivas: 

à procura de, à vista de, à custa de, à razão de, à mercê de, à maneira de, à moderna etc.

e) Para evitar ambigüidade:

À onça a cobra matou.
A menina à paixão venceu.


Note-se no entanto: comprar a prestação, escrever a máquina, escrever a mão, fechar a chave, porque são expressões adverbiais femininas que indicam  instrumento ou meio.

f) A crase pode também resultar da contração da preposição a com os pronomes demonstrativos aquele(s), aquela(s) e aquilo:

Não irás àquela festa [a aquela]
Vou àquele cinema. [a aquele]
Não ligo àquilo. [a aquilo]
Refiro-me à que você namora. [aquele]

Àquela ordem estranha, o soldado estremeceu.
A capitania de Minas Gerais estava unida à de São Paulo.
Falarei às que quiserem me ouvir. [aquelas que]
Esta anedota é semelhante à que meu professor contou. [aquela que]

g) Ocorre crase diante da palavra distância quando esta vier determinada pelo artigo a:

Achava-se à distancia de cem (ou de alguns) metros.

No caso de indeterminação, isto é, ausência do artigo, não haverá crase:

O trem passava a pouca distância da casa.
É necessário vê-los a distância.


CASOS EM QUE NÃO SE HÁ CRASE

1) Antes de substantivos masculinos: 

Andou a cavalo.

2) Antes de verbos: 
A partir de amnhã, serei outra pessoa.

3) Antes de substantivos no plural estando o A no singular. 

Referia-se a cidades pequenas.

4) Antes de pronomes pessoais: 

Dirigiu a palavra a ela.

5) Antes de pronomes demonstrativos (este, esse e flexões)

 Não foi a esta festa.

Observação: Há, no entanto, pronomes que admitem o artigo, dando ensejo à crase:

Não fale nada às outras.
Assistimos sempre às mesmas cenas.
Diga à tal senhora que...
Não temo as acusações de Mariaàs quais responderei oportunamente.
Estavam atentas umas às outras.


6) Antes de pronomes indefinidos: 

Obedecia a todos.

7) Antes de pronomes de tratamento, interrogativos, *com exceção de senhora, senhorita.
 
   Obedeci a Vossa Senhoria.
    Falaste a que pessoa?
    *Peço à senhora que tenha paciência.


8) Antes de artigo indefinido: Obedeci a uma velha senhora.

9) Antes dos pronomes relativos: Quem, Que, Cuja.

Referia-se a quem falava.
Ali havia uma árvore, a cuja sombra descansamos.
Esta é a vida a que aspiramos.

10) Antes da palavra casa (= a sua própria casa) ou quando não acompanhada de adjetivo ou locução adjetiva:

Chegou a casa.
*Voltou à casa paterna.
*Dirigi-me à casa de Pedro
.

*Observação: Nestes casos você usa o acento indicador da crase.

A crase é de rigor com a dita palavra no sentido de estabelecimento comercial ou dinastia.
“O príncipe pertence à casa de Bragança”.
(Vitório Bergo)

11) Antes da palavra (= terra firme), em oposição a Bordo:

Chegou a terra.
“Eu aposto em como ele não vai a terra.”
(Ferreira de Castro)

12) Quando já houver outra preposição: 

Viajou para a Itália.

13) Diante de substantivos femininos usados em sentido geral e indeterminado:

Não vai a festas nem a reuniões.
Dedicas o trabalho a homem ou mulher?
A FUNAI decidiu fechar o parque indígena a visitas.
Não dê atenção a pessoas suspeitas.
“Tudo cheirava a velhice”.
(Viriato Correia)
Dirigi-me a duas (ou a diversas) pessoas.
Contei o caso a uma (ou a certa) senhora supersticiosa.

14) Diante de nomes de parentescos, precedidos de pronomes possessivos:

Recorri a minha mãe.
Faremos uma visita a sua mãe.
“Arrependi-me de ter falado a minha prima.”
(G. Ramos)

Observação: Haverá crase quando o nome próprio admitir ou vier acompanhado de adjetivo ou locução adjetiva:

Maria tinha devoção à Virgem.
Entreguei a carta à Júlia (no trato familiar e íntimo).
Referiu-se à Roma dos Césares
.

15) Diante de numerais cardinais referentes a substantivos não determinados pelo artigo:
Chanceler inicia visita a oito países africanos.[Chanceler visita oito países africanos.]
“Então aquilo tinha acontecidode meia-noite a três horas?”

Observação: No caso de locuções adverbias que exprimem hora determinada e nos casos em que o numeral estiver precedido de artigo, acentua-se:

Chegamos às oito horas da noite.
Assisti às duas sessões de ontem.
 (Fonte: www.passei web.com)

quarta-feira, 27 de março de 2013

Prova EJA -




LÍNGUA PORTUGUESA –  EJA
                                  
 Martim Cererê


Fala Martim Cererê
Lá lá lá lá lauê
Fala Martim Cererê

Vem cá Brasil
Deixa eu ler a sua mão menino
Que grande destino
Reservaram pra você

Tudo era dia
O índio deu a terra grande     
O negro trouxe a noite na cor
O branco a galhardia   
E todos traziam amor

Tinham encontro marcado
Pra fazer uma nação
E o Brasil cresceu tanto
Que virou interjeição

Gigante pra frente a evoluir
Laiá laiá
Milhões de gigantes a construir
Laiá laiá laiá

(http://www.vagalume.com.br/ze-catimba-brasil-ritmo/martim- cerere.html#ixzz28LTKmE6w)

1. A partir da leitura da canção, relembre e defina o que é cultura.
Resp. Pessoal.
 R: Cultura é o conjunto de todas as manifestações e costumes de um povo.

2.    Relacione as definições aos corretos significados.
  A. Tipo de Cultura que se vale de um sistema de comunicação complexo sofisticado, a fim de atingir um número cada vez maior de pessoas.
B.   Tipo de cultura que é transmitida, sobretudo, oralmente ou por meio de registro bastante simples, basicamente artesanais, nos mais diferentes ambientes de convivência dos grupos envolvidos. Essa cultura evidencia-se nas artes ( literatura, música, teatro, dança, escultura, etc.).
C.   Tipo de cultura que se cria ou se divulga nas universidades, instituições científicas e outros centros de estudos que se apoia basicamente em registros e documentos. É, por excelência, o conhecimento de prestígio. 

(C) Cultura erudita            (  A ) Cultura de massa            (   B) Cultura popular

3. Muitas tribos indígenas não frequentam escolas e, por esse motivo, não sabem ler nem escrever. Podemos, então, afirmar que:

A (   )  os índios não são civilizados, por isso não têm cultura.
B (   )  os índios não têm cultura porque são analfabetos.
C (   )  as regiões isoladas onde vivem dificultam o acesso dos índios à cultura.                                              
D (X)  os índios têm cultura porque a cultura é o conjunto de todas as manifestações e  costumes de um povo.
4. Relacione corretamente:
        ( A) A utilização que cada membro da comunidade faz da língua, tanto da oral, quanto da escrita.
        ( C  ) Conjunto de sinais baseado em palavras.
        ( B  ) Qualquer conjunto de sinais que nos permite realizar atos de comunicação.
             
Linguagem (A)              Língua (B)               Fala (C)

5.  Em: “O menino levou uma bronca!”, A palavra destacada, termo de gíria empregado na fala polular e coloquial do Brasil, pode ser entendida como:

a) aversão                b) rejeição             c) (X)  repreensão            d) repressão


   Podemos expressar nossas ideias, pensamentos e sentimentos por meio de palavras, mas também por outros sistemas de representação

6. Observe as imagens abaixo e assinale com um (X) as que podem ser exemplo de textos.


 (A)
 (B)
      (C)






    (D)






A ( X )          B ( X )      C (X)     D (X)

 a)  Indique o tipo de linguagem utilizado por cada um deles: verbal, não verbal ou mista.

(A) Não verbal              (B) Não verbal           (C) Mista               (D) Mista

b)  Quem são os interlocutores da mensagem do Cartum? O taxista e o passageiro

7. Sublinhe o sujeito da oração e circule o predicado:               


a) O rei derrotou os monstros.
   Sujeito: O rei
      Predicado: derrotou os monstros
 
 b) Nós conhecemos histórias antigas.
    Sujeito: Nós
    Predicado: conhecemos histórias tristes

c) Eles tinham saúde.
    Sujeito: Eles
    Predicado: tinham saúde
d) Eu e meus colegas aprendemos a lição de hoje.
    Sujeito: Eu e meus colegas
    Predicado: aprendemos a lição hoje                         

Carta pessoal - é um tipo de correspondência que enviamos a amigos e familiares quando queremos tratar de um assunto particular. Leia um exemplo de carta pessoal:

                                Volta Redonda, 15 de dezembro de 2011.
 
Alô, Carlinhos, tudo bem?
Você lembra quando a gente conversava do que ia ser quando crescer?
Você sempre sabia o que queria, só que toda hora mudava: médico, arquiteto, escritor.
Eu não. Lembra? Eu nunca sentia muita vontade de ser nada.
Mas agora você vai ficar bobo: essa semana – até que enfim!! – eu descobri o que eu quero.
Adivinha ...
Pensa bem...
Eu nunca tinha pensado que ia gostar de ensinar, mas sabe? Quando ajudo meu irmão nos estudos, eu sinto uma sensação assim... sei lá. Só sei que é bom.
Então eu resolvi que vou ser professor.
E você? Continua mudando de profissão a toda hora?
Vê se escreve, viu, cara?
Abração... 
do Rodrigo.

9. Encontre os elementos essenciais na carta?

a) remetente: Rodrigo.                                 
b) destinatário: Carlinhos .  
c) local e data: Volta Redonda, 15 de dezembro de 2011.
d) vocativo: Alô, Carlinhos!
e) o assunto: Dar e notícias; lembrar coisas boas do passado etc.